Um pouco mais...


   Não sou muito de grandes manifestos afectivos...talvez porque sempre achei que me desprotegia, que me fragilizava...e sempre precisei ser forte...escolhi sempre a dedo aqueles a quem me dei, e aqueles que verdadeiramente quis que me olhassem bem dentro dos olhos...não que me envergonhe do que aqui vai dentro, bem pelo contrário, mas sou assim...não me dou a todos, embora possa receber todos na minha vida sem descriminações. Aceito os que vêm e os que chegam com o respeito que todos me merecem, mas ficar...permanecer...conhecer a minha essência, não, porque sei o quanto mundo pode ser cruel para pessoas como eu...que sentem tudo de uma forma muito intensa...e eu sinto...talvez lamentavelmente sinto. 
   Hoje eu que nada sou de afectos, nem de pieguices como se por ai diz, queria aquele abraço sincero e desinteressando, que vem tão cheio, que nos enche...que vem tão gigante que nos engole...
   Sinto que de alguma forma não pertenço a este mundo de ninguém...
Existem dias assim...em que a minha tristeza ou o meu desalento é maior que eu...e eu não sou propriamente pequena...embora por vezes me sinta ou me fazem sentir...embora ninguém fique a saber disso...

*** @rt ***

Só para que saibas...


hoje se te apanhasse de jeito, dava-te umas trancadas valentes...porquê?
porque me apetece...lembrar-te de tudo o que de melhor sei fazer contigo...

***@rt***

Crescer...


Gosto quando me cresces na boca...mas não vou negar que adoro quando me chegas aos lábios já crescido...para ser sincera gosto seja lá como for. Porque nada se compara ao sabor que trazes ao meu sabor.

*** @rt ***

Voltar...


Quero voltar a sentir,..a boca seca pelo desejo...o corpo acesso pelo frenesim da vontade...a loucura presa nos olhos...e o sexo rasgando-me as entranhes. 
Quero querer como quem quer...saber como quem sabe, o bem que o prazer faz...dar-me como se nunca me tivesse dado...sem pressa mas com urgência...
Esquecer a hora, apreciando cada segundo...gladiar o meu corpo contra outro corpo...sentir-lhe as formas e desenformar orgasmos que em cascata se soltam de mim.
Quero voltar ao corpo presente...ao corpo de estar...ao corpo de ser...dizer o grito mudo que a garganta não solta, porque se quer calado...quero as meias palavras porque inteiras não saem, porque beijos as travam...
Quero sabor de homem na boca...cheiro de homem na pele...lábios para lambuzar...línguas sabedoras do seu lugar, quando se passeiam pelo meio das minhas pernas...   
Não quero pouco...quero o muito, porque sou mulher disso, não de menos...o menos não me chega, não me acalenta, não me satisfaz...quero o cansaço que fica no depois, mas junto com a determinação de em breve voltar ao corpo, voltar ao desejo, voltar ao prazer.

*** @rt ***

E foi...


    E foi um dia sem nada...com tudo dentro.
   Pode ser que para o ano...ou já amanhã porque a vida ensina, seja quem sabe, um dia com tudo dentro, porem sem nada...
  A vida essa quis-me assim...e eu deixei...porque me cansei de contrariá-la...hoje porque houve alguém que me deu este dia e não outro qualquer...se não este...deixei-me...não sei onde...nem sei com quem...nem tão pouco sei como.

*** @rt ***